RESENHA: Desculpa se te chamo de amor - Federico Moccia



O Federico Moccia já está na minha lista de desejados há bastante tempo, mas quando assisti ao filme Paixão Sem Limites que é uma adaptação para o cinema do seu livro Três Metros Acima do Céu e sua continuação Sou Louco Por Você, que permaneceu com o título original, eu decidi que precisava ler os livros desse autor. Consegui comprar todos, exceto Três Metros Acima do Céu. Continuo procurando, se alguém souber de algum a venda, por favor, avise.
A questão é que eu ADOREI os filmes – em outro momento faço uma resenha só dos filmes. Então quando comecei a ler o Desculpa Se Te Chamo de Amor, minha expectativa era altíssima, pensei comigo mesma, é agora que eu me apaixono. Não foi exatamente o que aconteceu.


O tema é polemico, até fiz uma enquete a respeito com meus amigos, família e colegas de trabalho e o resultado é bem previsível. A maioria das pessoas não apoiaria o relacionamento apresentado no romance.
O livro vai nos contar a estória de amor de Niki, uma jovem de 17 anos que está prestes a terminar o ensino médio e Alessandro que está próximo a fazer 37 anos, deixado pela noiva há pouco tempo. Eles se conhecem em um pequeno acidente de transito e acabam se envolvendo romanticamente. O autor narra os altos e baixos desse relacionamento incomum, as inseguranças dos dois e a evolução dos sentimentos de cada um.
Se eu parar para pensar na minha juventude, posso me descrever como uma adolescente insegura e certamente se fosse minha própria mãe não deixaria que esse relacionamento seguisse em frente – Será que ficou confuso meu raciocínio? Espero que não.
Quanto ao livro, certamente não vai estar na minha lista dos cinco melhores de 2015, mas ainda assim é um livro que prende bastante. Cita muitas frases legais atribuídas a ditados, provérbios, pensadores e músicas. Aliás, tem muita música. Se você tem interesse em conhecer música italiana entre outras leia o livro.


Alessandro não tem tempo de dizer nada. Bem naquele instante, um bipe em seu celular. Olha para o display. É um torpedo. Abre. Niki. Lúpus in fábula… Como é que dizia Roberto Gervasio? “A vida é uma aventura com o início decidido por outros, um fim não desejado por nós e tantos entreatos escolhidos aleatoriamente pelo acaso” Da série… então, por que me preocupo?
Pág. 252

Esse é também um livro bastante reflexivo. Ou sou eu quem reflete demais lendo. A única questão que me irritou é que em alguns trechos um grupo de pessoas conversa e não sei se foi o autor ou a tradução, eu não entendia quem estava falando. A questão é que o livro é romântico e as vezes bastante controverso, mas vale a pena, a maior parte do tempo a leitura é fácil e divertida. Mas esse final de semana eu assisto o filme – é, esse livro também virou filme – e se a Kate permitir, eu faço uma resenha do filme também.

“Eu, medo do amor? Tenho medo de me encontrar numa situação como a sua… não consegue mais abrir mão dele, está acostumada, mas na realidade gostaria de não precisar… mas tem medo… Você tem medo! E não do amor. De não conseguir ficar sozinha, querida Erica. Sabe-se o que se deixa, não se sabe o que se encontra.”
Pág. 189

Por favor, comentem, deixem suas opiniões e sugestões.
Beijocas,
Ana


Tem 27 anos, estuda hotelaria e é aquariana em todos os sentidos. Apaixonada por livros, julga-os pela capa e adora uma boa promoção. Também gosta de filmes de todos os gêneros, principalmente terror. Adora assistir séries de TV junto com o maridão e música boa, apesar de não entender muito de música.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.