RESENHA: O julgamento de Gabriel - Sylvain Reynard



Boom dia pessoal, como é que vocês estão? Espero que bem! Hoje é dia de mais resenha por aqui e mais uma vez, a Lucila veio trazer uma crítica literária, de Sylvain Reynard. O volume sequencia de O inferno de Gabriel, ganhou o coração de leitores por todo o país. Deixem comentários dizendo o que acharam e incentivando a Lucila à produzir mais conteúdo! Espero que gostem <3


Eles estão vivendo uma paixão arrebatadora. Mas muitas pessoas são contra esse amor. Gabriel Emerson e Julia Mitchell se conheceram há muito tempo, quando ela ainda era adolescente, numa noite mágica e confusa. Mas, apesar de todo o sentimento que nasceu entre eles, no dia seguinte seus caminhos se separaram. Anos depois eles se reencontraram quando Julia começou o mestrado na Universidade de Toronto. 
Gabriel era um professor enigmático, sedutor e muito arrogante que a atormentava e perseguia. No entanto, o que mais fazia Julia sofrer era ele não se lembrar dela. Mas nem mesmo o insensível Gabriel é capaz de resistir à profunda conexão que existe entre eles e logo os dois embarcam numa tórrida paixão proibida. Com o fim do semestre e do curso ministrado por Gabriel, eles deixam de ser professor e aluna e enfim estão livres para viver seu amor. Ou pelo menos era o que pensavam. 
Após uma viagem romântica para a Itália, durante a qual Gabriel ensina a Julia todos os mistérios do prazer e, em troca, aprende com ela o significado do amor verdadeiro, os dois veem seus sonhos ameaçados. Duas denúncias junto ao Comitê Disciplinar da Universidade põem em risco o emprego de Gabriel e a carreira brilhante e promissora de Julia. Será que o professor vai ceder às ameaças ou irá lutar até o fim por sua amada? 
Será que essa paixão conseguirá resistir a um julgamento implacável? Na apaixonante sequência de “O inferno de Gabriel”, Sylvain Reynard constrói uma bela história de amor, da qual os leitores jamais se esquecerão.


O Julgamento de Gabriel tem início no mesmo ponto onde parou seu antecessor “O Inferno de Gabriel”. Nosso casal protagonista, Julia e Gabriel, estão vivendo uma verdadeira lua de mel na Itália, com direito à muito amor, carinho e declarações.


Um a um, Gabriel abriu e beijou os dedos cerrados dela, arrependido.
– Eu amo você, Beatriz. Não vou abandoná-la. Você sabe disso, não sabe?
– Doeria muito mais perder você agora. (p.11) 


Ao voltarem para Toronto iniciam seu romance às claras, pois o semestre já acabou e Julia não é mais sua aluna. Mas nem tudo são flores. Uma denúncia é feita junto ao Comitê Disciplinar e Julia e Gabriel se vêm em uma encruzilhada. A princípio eles não sabem do que Julia está sendo acusada, mas obviamente nós sabemos por isso contar aqui não será spoiler. Estão sendo acusados de manter um relacionamento enquanto ela era aluna e serão interrogados juntos. 


– A vantagem de namorar um homem mais velho e estabelecido é que ele pode lhe dar espaço para você se concentrar na sua própria carreira. Darei um jeito de adequar meu emprego às suas necessidades.
– Isso não é justo.
– Injustiça seria você desistir do seu sonho de ser professora ou fazer um doutorado medíocre. Não vou permitir que sacrifique seus sonhos por mim. (...) (p. 71)


Se eu falar mais acabo contando muitos spoilers, mas já podemos imaginar o que acontece. O livro possui muitas cenas de romance, mas não tão quentes assim. O autor consegue nos dar a essência de suas noites (tardes e manhãs) de amor sem deixar o livro vulgar ou pornô.
Devido à narrativa em terceira pessoa podemos conhecer nessa sequência um pouco mais de Paul, o amigo de Julia. O mais legal é que podemos um pouco de cada lado da história, tudo bem que a maior parte concentra-se nas reações de Julia, mas o autor nos coloca a par do que acontece com Gabriel, seus sentimentos, seus pensamentos, suas atitudes.
O livro era para ser o final de toda a história do nosso casal, porém o autor decidiu nos agraciar com uma sequência. Espero que nessa sequência possamos entender algumas coisas que ficaram no ar: O que aconteceu com Simon e Natalie? E Paul? E Christa (aquela vaca)?
Eu gostei do livro, pois gosto de romances, mas acho que o autor deu uma enrolada. Temos muuuitas cenas de amor, declarações e, claro, inseguranças. É bonito de se ler sim, mas cansativo e demora um pouco para finalmente chegar ao ponto principal da história, o julgamento pela atitude dos dois e as consequências.

– Você está me ensinando a amar e suponho que eu esteja lhe ensinando a amar também, de certa forma. Não somos perfeitos, mas podemos ser felizes. Não podemos? – Ele recuou para fitar seus olhos.
– Podemos – respondeu ela, os olhos cheios de lágrimas. (p. 65 e 66)



Lucila tem 28 anos é formada em Relações Públicas e é pós-graduanda em Administração pela FGV. Trabalha com eventos no Sistema de Ensino Poliedro e ama o que faz. É geminiana e gosta de falar bastante. Ama um filme, seja em casa ou no cinema. E devora um livro num final de semana.








=> Este post está participando do Top Comentarista de Janeiro, clique para preencher o formulário.

1 comentários:

  1. Lu :}

    Que bom que o autor (pera, não é autora? :S) conseguiu deixar o livro menos pornográfico e mostrar mais o lado do romance, eu gosto de cenas picantes, mas tudo que é demais enjoa não é? E sou sempre a favor do romance .. rs
    Não pretendo ler o livro tão cedo por conta da minha decepção com a história, mas pros fãs de romance erótico acho que é uma boa aposta.
    Bj :*

    ResponderExcluir

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.