RESENHA: Perdão, Leonard Peacock - Matthew Quick



Booa tarde pessoal! Voltei com mais uma super resenha da Ana, confesso que até eu fiquei com vontade de ler o livro que ela recomendou para hoje, então bora ler galera. Não se esqueçam de deixar comentários, dizendo o que acharam e de PARTICIPAR DO TOP COMENTARISTA! Cadê a galera que gosta de ganhar prêmio?

PERDÃO, LEONARD PEACOCK MATTHEW QUICK

Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto.







Este ano eu tive a oportunidade de ler livros incríveis, eu mesma fiquei impressionada com o meu feeling na escolha desses livros, cada um mais comovente que o anterior. Mas definitivamente Perdão, Leonard Peacock foi o que me deixou mais sentimental de todos.
O livro conta a história de Leonard no dia em que ele faz 18 anos e está decidido a matar seu ex-melhor amigo e se suicidar. O livro começa contando que Leonard sofreu algum tipo de abuso, mas nada fica claro até o final da estória, e ele não tem dúvida de como será seu aniversário. Com a mãe ausente e o pai sumido, Leonard não conta com muitos amigos, aos quais ele decide presentear antes dos fatídicos acontecimentos do dia. É através desses instantes da entrega dos presentes que você conhece mais o personagem que é solitário, mas também inteligente e sensível.
Chorei feito criança lendo esse livro, ele é triste e lindo ao mesmo tempo, e tudo que eu desejei durante toda a leitura foi poder confortar Leonard. Eu só pensava o quanto eu gostaria de ser transportada para o livro e dar um abraço apertado nele, pois era tudo que ele pedia silenciosamente a cada pessoa que se aproximava dele. Entre os capítulos há algumas cartas do futuro, que a princípio não fazem sentido, e que eu só compreendi lá pelo meio da estória, mas quando eu tive esse entendimento me emocionaram mais ainda.
Então vou repetir o que eu acho que venho falando frequentemente em minhas resenhas – pois eu adoro um drama – que é, se você está pronto para chorar leia esse livro. Se eu pudesse recomendar somente um livro para o ano de 2014, esse é definitivamente o livro que eu recomendaria. Esse é um livro para reflexão, para repensar nossos conceitos e valores e para nos fazer perceber que só precisamos olhar em volta e que não é tão difícil assim tentar fazer a pessoa que está ao seu lado pelo menos um pouquinho mais feliz.

Obs: Esse livro não tem qualquer semelhança de temática com o livro O Lado Bom da Vida, do mesmo autor Matthew Quick


 
Ana Cristina
Tem 26 anos, estuda hotelaria e é aquariana em todos os sentidos. Apaixonada por livros, julga-os pela capa e adora uma boa promoção. Também gosta de filmes de todos os gêneros, principalmente terror. Adora assistir séries de TV junto com o maridão e música boa, apesar de não entender muito de música. 

=> Este post está participando do Top Comentarista de Novembro/Dezembro, clique para preencher o formulário.