RESENHA: A Escolha - Kiera Cass



Boooa tarde galera, sei que hoje demorou, mas é que eu pretendia soltar o vídeo mais cedo e acabei tendo alguns problemas com a edição rsrs. Ele só vai ao ar mais tarde, assim que o Youtube resolver terminar de editar. Para hoje, tenho uma resenha bem bacana de 'A escolha', último livro da trilogia da Kiera Cass. Foi o meu livro favorito e entrou para a lista de melhores leituras do ano. Se você ainda não leu o desfecho da série, logo alerto que talvez eu tenha soltado alguns spoilers. Nada muito grave, mas mesmo assim, não custa nada avisar! É isso, espero voltar ainda hoje. Super beijo!

A ESCOLHA – KIERA CASS

A Seleção mudou a vida de trinta e cinco meninas para sempre. E agora, chegou a hora de uma ser escolhida. America nunca sonhou que iria encontrar-se em qualquer lugar perto da coroa ou do coração do Príncipe Maxon. Mas à medida que a competição se aproxima de seu final e as ameaças de fora das paredes do palácio se tornam mais perigosas, América percebe o quanto ela tem a perder e quanto ela terá que lutar para o futuro que ela quer. Desde a primeira página da seleção, este best-seller #1 do New York Times capturou os corações dos leitores e os levou em uma viagem cativante ... Agora, em A Escolha, Kiera Cass oferece uma conclusão satisfatória e inesquecível, que vai manter os leitores suspirando sobre este eletrizante conto de fadas muito depois da última página é virada.









Neste terceiro e último – pelo menos, até o momento – livro da série de Kiera Cass, pude me surpreender ainda mais com a escrita da autora, personagens e futuro dos mesmos, do que em ‘A elite’. Se este – A elite -, não tinha me agradado em diversos aspectos, em ‘A escolha’, já me senti recompensada. Todos os pontos que citei na resenha anterior, foram preenchidos com êxito pela autora. Há mais aprofundamento no quesito distópico da trama, há um amadurecimento maior dos personagens e principalmente; um melhor desenvolvimento do romance entre América e Maxon – meu favorito do triângulo, desde sempre.
América finalmente abriu os olhos com relação à Aspen, um dos motivos quais me fizeram gostar mais dela, já que desde o primeiro livro da trilogia, eu já não entendia o porquê de ela gostar tanto dele. Então, ela mais do que nunca, está determinada a conquistar o coração de Maxon – que pasmem, virou o maior galinha e perdeu um pouco do encanto, na minha opinião -  e consequentemente a simpatia do rei, já que desde suas inconsequentes atitudes perante à imprensa, o pai de Maxon a detesta mais do que à qualquer outra candidata e pode sim, impedir que ela consiga alcançar seu então objetivo, de ficar com o príncipe.

“Meu estômago se contorceu. Eu não tinha sido completamente honesta com Maxon. Mas, com ele ali olhando para mim daquele jeito, tão fixamente, era fácil deixar tudo aquilo de lado. Eu conseguia esquecer tudo ao nosso redor quando ele me olhava daquele jeito.” Pág. 213

A realeza de Illéa, acaba encontrando aliados em meio aos rebeldes, que irão com toda certeza mudar o ‘nosso modo de pensar’ com relação aos ataques. Ou seja, não é mais aquela coisa superficial e enrolada, que a Kiera Cass fez parecer que fosse desde o principio Os ‘porquês’ são finalmente esclarecidos e eu pude sentir o ‘gostinho’ de discussões políticas e sociais, que tanto marcam as fantasias distópicas. Outro ponto que me agradou bastante, foi o amadurecimento das demais candidatas da Seleção. Celeste, principalmente, sofreu uma mudança drástica ao longo das páginas. Eu até comecei a gostar dela! E olha que isto, era uma coisa que eu considerava tremendamente impossível.
E quanto à Maxon ser galinha, pois bem, eu explico. Acontece que o moço nunca experimentou ‘um verdadeiro amor’ na vida, então tudo o que ele deseja, é ter certeza de que o que sente por América, é realmente tão forte, quanto ele pensa e se ela o ama da mesma maneira. Já que ele é inseguro o bastante para duvidar, dos sentimentos dela – e com razão, já que ela o enrolou tanto no começo. Então, a maneira que ele encontrou de fazer isso, foi, ‘ficando’ com todas as outras candidatas e iludindo-as na maioria das vezes. Ok, admito que não foi nada legal da parte dele e foi uma atitude que realmente me deixou um pouco chateada, no entanto, eu continuarei ‘shipando’ ele e a América até o fim.

“- Sei que você passou anos se dedicando a outra pessoa porque pensava que ele a amaria para sempre. Só que, quando teve que enfrentar algumas dificuldades da vida, ele te abandonou. – Fiquei paralisada, absorvendo aquelas palavras. Maxon prosseguiu:
- Não sou ele, América. Não pretendo desistir de você.” Pág. 229

O desfecho da série, sem dúvidas foi melhor do que eu esperava. Me surpreendeu em muitos aspectos, embora tenha me feito chorar horrores, já que a autora fez questão de ‘dar cabo’ à muitas personagens que eu admirava. Enfim, é o que é, faz parte. Amei tudo, tudinho, e por mim, haveriam mais cinco livros. Ok, não tanto, mas pelo menos mais uns três!
Kiera Cass, tu tem talento minha filha, e acaba de ganhar uma fã de carteirinha! Espero que assim como eu, vocês gostem de ‘A escolha’. Uma coisa é certa, para ler, precisa ter o coração forte!

Tentei ao máximo não contar spoilers, mas se talvez eu deixei algum escapar, peço mil desculpas. Super índico essa série, e principalmente para quem assim como eu, é super fã de distopias! Sem contar a capa, que foi a mais bonita de todas, na minha opinião. Parabéns à Kiera, à Seguinte e a todos que colaboraram para que o resultado do livro desfecho da trilogia, ficasse tão bom.

=> Este post está participando do Top Comentarista de Novembro/Dezembro, clique para preencher o formulário.

1 comentários:

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.