RESENHA: A Elite - Kiera Cass



Booom dia, como é que vocês estão? Animados para o fim de semana! Pois é, eu já não estou assim tão ansiosa, afinal será dia de prestar Enem e tentar mais uma vez, tirar uma nota boa. Me desejem sorte! Fiz o favor de esquecer o pen drive em casa hoje, então ainda não sei se conseguirei postar o vídeo no canal... Não me matem! Irei pedir à alguma boa alma, para trazer para mim, mas ainda não sei se isso vai acontecer. Hoje também não terá look, - vou tirar as fotos este final de semana - porque simplesmente esqueci que tinha de postar hoje rsrs. Tudo isso, é por ter acordado cedo demais, então tenham paciência comigo. Irei postar uma resenha - que não estava no cronograma - para amenizar as coisas e espero que vocês gostem!

A ELITE – KIERA CASS

A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos. America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer — e ela está prestes a perder sua chance de escolher. E justo quando America tem certeza de que fez sua escolha, uma perda devastadora faz com que suas dúvidas retornem. E enquanto ela está se esforçando para decidir seu futuro, rebeldes violentos, determinados a derrubar a monarquia, estão se fortalecendo — e seus planos podem destruir as chances de qualquer final feliz.



Creio que depois de praticamente surtar com ‘A seleção’, - afinal, estava completamente ansiosa por mais, desde o término da leitura do mesmo - tenha chegado a hora de me desesperar com ‘A elite’. Isto porque, a série tomou um rumo totalmente diferente do que eu imaginava – e ansiava. Se você ainda não leu o primeiro livro da série e/ou não quer ler nenhum ‘spoiler’, não recomendo que continue a leitura desta resenha. Porque por mais que vá tentar, não posso garantir que conseguirei me manter neutra.
Neste segundo livro da série, lidamos com uma ‘América’ completamente perdida. Isto porque, agora, que são apenas seis garotas e a proximidade da decisão final de Maxon, a faz de certo modo tremer na base, ela não consegue se decidir se o que sente por Aspen, continua sendo tão verdadeiro e sólido quanto antes ou se a forte amizade com Maxon, realmente está deixando de ser apenas isso.

“- Não sei – respondi, dando de ombros. – Só acho que formaríamos um bom ‘nós’. Ele abriu um sorriso. – Formaríamos um ‘nós’ maravilhoso.” Pág. 49

Ao contrário do que imaginei, ‘A elite’ não abordou muito mais sobre os problemas relacionados à sociedade de Illéa – os rebeldes e tudo o mais – do que o que havia citado no primeiro. Isto me deixou um pouquinho triste, porque as minhas expectativas à respeito eram muito grandes, mas bola para frente e vamos falar sobre os pontos positivos da obra.  
Conforme o triângulo amoroso entre América, Aspen e Maxon vai ficando mais forte ao longo das páginas, começamos a conhecer melhor nossos protagonistas. Aspen, continuou a não me chamar a atenção em nada. América, despertou em mim, uma raiva... Tive vontade de muitas vezes, chacoalhar ela pelos ombros e gritar ‘Escuta aqui minha filha, você vai mesmo deixar o ‘boymagia’ do Maxon, por um traste que nem o Aspen?’. E isto só piorou, quando o príncipe por fim percebeu que não podia escolher sua ‘Meri’. É aí que ele começa a dar chance para as outras garotas e consequentemente, acaba escolhendo uma nova favorita.  Só digo uma coisa, a tal fulaninha escolhida por ele, para mim foi uma total surpresa. Isto porque durante o primeiro livro, ela agiu como uma ‘mosca morta’. No sentido literal da palavra, ou seja, sequer pensei que seria ela.

“Não importava o que viesse, eu enfrentaria. Tinha que enfrentar.”

A trama em si, segue o ritmo envolvente e sedutor da narrativa de Kiera Cass, mesma que me encantou no primeiro livro. Há uma grande, bem grande reviravolta na história – que foi quase que por inteira trabalhada em ‘picos’ de emoção. Ora calmo demais, ora agitado demais – que me fez sentir um pouquinho de raiva do Maxon, da seleção, do rei e da rainha, da América, da Kiera Cass... Enfim, me fez sentir raiva de todo mundo. Mas não irei aprofundar muito no assunto, pois creio que vocês tenham que ver por si mesmos.
Não encontrei nenhum erro de revisão na obra e a diagramação, bem como a capa, seguem lindas de morrer e fazer parar qualquer coração frágil. A editora Seguinte está de parabéns. E detalhe, a história mais uma vez parou em um momento CRUCIAL. Ou seja, estou morrendo de ansiedade para ler o até então último livro da trilogia, ‘A escolha’. – Já que segundo boatos, meio que confirmados, vai rolar mais livros da série.
A série de Kiera Cass, é recomendadíssima para aqueles que curtem uma boa fantasia e é claro, regada à muito romantismo e aventuras.


 => Este post está participando do Top Comentarista de Novembro/Dezembro, clique para preencher o formulário.

1 comentários:

  1. Oii Kate :D
    To com A seleção me esperando na prateleira e assim que comprar os outros dois livros eu iniciarei a leitura imediatamente! Confesso que pelas resenhas que li eu me irritei um pouco com a America, acho que essa indecisão dela ficou um pouco chata, talvez por eu não gostar tanto de triangulos amorosos !!
    Fora isso acho que vai ser uma história maravilhosa, e com certeza eu vou me apaixonar <3
    Beijos ..

    "Promo de natal"

    ResponderExcluir

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.