[RESENHA] Peça-me o que quiser - Megan Maxwell


Boa tarde galera do Drunk! Hoje tem mais resenha aqui no Drunk e desta vez de um livro 'hot' que deu o que falar na blogosfera. A Ana, nossa super colunista, trouxe para vocês uma crítica geral - dos três livros da série da série Peça-me o que quiser - e espero que vocês gostem, assim como eu, da opinião dela. Claro que, se você leu ou quer ler, sugiro que deixo nos comentários o seu próprio ponto de vista! Tenham um ótimo fim de dia e amanhã estamos de volta com mais conteúdo legal para vocês. :D

PEÇA-ME O QUE QUISER – MEGAN MAXWELL

A autora conta a história da secretária espanhola Judith Flores e seu chefe, o alemão Eric Zimmerman, também conhecido como Iceman: um homem muito sério e com os olhos azuis mais intensos e sexies que ela já viu. Recém-chegado ao comando da empresa Müller, antes dirigida por seu pai, Eric tem uma atração instantânea pelo jeito divertido de Judith e exigirá que ela o acompanhe nas viagens de trabalho pela Espanha. Mesmo sabendo que está se metendo numa situação arriscada, a ideia de estar ao lado de Iceman é irresistível. Com ele, a jovem viverá experiências sexuais até então inimagináveis, em um universo de fantasias eróticas pouco convencionais. Conciliando sexo e romantismo na medida exata, Peça-me o que quiser é uma história de amor cheia de encontros e desencontros, na qual os jogos eróticos, o voyeurismo e o desejo de ultrapassar todos os limites do prazer são os grandes protagonistas


Pesquisei muitas resenhas antes de começar a minha própria, coisa que não costumo fazer, pois não gosto de escrever influenciada por outros textos. Mas pesquisei logo após a leitura do primeiro livro, pois terminei de ler sem saber realmente quais eram meus sentimentos sobre ele, e talvez minha primeira resenha sem uma real e definitiva recomendação. De forma geral essa é uma resenha da trilogia, não só do primeiro livro.
Umas das coisas que eu mais li a respeito do livro é que os próprios leitores não o consideram como literatura. No meu ponto de vista qualquer livro que se disponha a contar uma estória, real ou não, é literatura, mas obviamente a qualidade pode e deve ser questionada. Sim admito, a qualidade é bem duvidosa, mas se você está procurando um livro para passar o tempo e não se tornar mais culto, então não há com que se preocupar.
Quanto ao conteúdo, para os mais pudicos, sim é pesado. Mas se você for ler esse livro eu aconselho que tenha a mente aberta para entender que as particularidades sexuais apresentadas no livro existem na vida real e você não precisa ser adepto para conhecer ou quem sabe vir a gostar.
Com relação a estória em si, as comparações com Cinquenta Tons são inevitáveis. Principalmente no quesito financeiro que a Judith acaba inserida pela situação do seu relacionamento com o chefe, bem como a possessividade do Eric e a falsa tentativa de manter a distância entre a relação e o amor. Mas se for pra comparar a Judith com a Anastacia, meu voto vai para a Judith de olhos fechados. Judith é independente e apesar de sofrer consideravelmente a cada briga com Eric, ela não faz o tipo mocinha chorona, ela saí pra dançar e beber com os amigos e faz o que lhe der na telha, até muitas atitudes que podem ser reprovadas por alguns leitores, mas ela é livre afinal de contas, já que há um acordo entre eles e não um relacionamento romântico. Pelo menos não inicialmente. As brigas dos dois são de partir o coração, e admito que em alguns momentos eu torcia pra que eles terminassem definitivamente.
Agora minha opinião final se você deve ou não gastar seu tempo e dinheiro lendo o livro é a seguinte: se você busca apenas lazer e tem a mente aberta sexualmente falando, provavelmente você vai se divertir. Agora, se você quer um livro que acrescente no seu vocabulário ou ter sobre o que conversar no almoço de domingo não leia, e possivelmente você perderá seu tempo e ficará com ‘nojinhos’.
Minha avaliação pessoal a respeito dessa trilogia é que a escrita é fraca, mas como entretenimento, o livro serviu bem ao propósito. Esse é o primeiro livro que eu não recomendo, mas sim aconselho que leia a sinopse e talvez outras resenhas antes de mergulhar de cabeça nesse romance.

Ana Cristina
Tem 26 anos, estuda hotelaria e é aquariana em todos os sentidos. Apaixonada por livros, julga-os pela capa e adora uma boa promoção. Também gosta de filmes de todos os gêneros, principalmente terror. Adora assistir séries de TV junto com o maridão e música boa, apesar de não entender muito de música.


0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.