[RESENHA] A Bandeja - Lycia Barros


A BANDEJA – LYCIA BARROS

Aos 18 anos, Angelina está prestes a viver o maior desafio de sua vida: sair de Petrópolis para estudar no Rio de Janeiro, deixando para trás os cuidados e a proteção de seus pais. Assim que se instala na república de estudantes e começa a assistir às aulas, a jovem percebe que as dificuldades serão muitas. Ela divide um quarto com uma colega desorganizada, uma frequentadora assídua de festas e chopadas que vive cercada de más companhias. Além disso, as condições das instalações da faculdade são precárias e os professores não parecem comprometidos. Angelina já está desanimada de sua nova vida quando esbarra no lindo Alderico – ou Rico -. Um cara capaz de fazer qualquer garota perder o fôlego. O que ela não poderia imaginar era que Rico é seu professor de linguística e se interessaria por ela também. Deslumbrada com a descoberta da paixão e certa de que Rico é seu grande amor, Angelina se joga de cabeça nessa relação, ignorando todos os conselhos que recebera dos pais a vida inteira. Ao mesmo tempo ela começa a ter sonhos que não consegue entender: homens lhe oferecem objetos numa bandeja e, logo depois que Angelina aceita seus presentes, eles se transformam em feras e desaparecem numa floresta.


Sempre fui muito apegada à religião e confesso que por isso, estava particularmente ansiosa por ‘A Bandeja’. Nunca tinha lido nada da autora e confesso que me instigou e muito o fato de ela ser conhecida como ‘Nicholas Sparks de saia’, afinal, sou loucamente apaixonada pelos livros dele. E olha, reconheço que a Lycia realmente tem o dom. Não simplesmente por escrever bem, mas por abordar a religião, sem forçar a barra. De fato, nos inserindo no mundo dos personagens sem que percebamos.
Em ‘A Bandeja’ conhecemos Angelina, uma garota de 18 anos que ao passar para uma faculdade federal, precisa deixar Petrópolis e a segurança de seu lar para ir morar no Rio de Janeiro, em uma república e dividir o quarto com Michele, uma garota baderneira e rebelde que não perde uma festa.  Angelina vem de uma família cristã e desde pequena, frequenta a igreja com os pais, mas é no Rio de Janeiro, que ela irá passar pela primeira grande provação de sua vida.

“Enquanto eu fazia minha talentosa atuação ao telefone e as meninas estavam saindo da sala, o imprevisível aconteceu: meu celular idiota tocou de verdade! Quer dizer, gritou bem na minha orelha. Arfante, olhei para o visor: era minha mãe. Que mico! Atendi depressa o telefone: - Ah, oi, caiu a ligação...” Página 24

Quando chega à faculdade Angelina se decepciona com quase tudo; as instalações são ruins, os professores descompromissados e ela ainda percebe que grande parte dos alunos não liga para as aulas e só pensa em se divertir. É quando ela conhece Rico, seu professor gato de linguística e se apaixona perdidamente por ele. E é aí, que Angelina mergulha em uma tremenda confusão de sentimentos que trará grandes mudanças para a sua vida.
Tudo o que Angelina aprendeu a vida toda, sobre um namoro santo, a verdade e a aproximação com Deus, se perde. Ela passa a mentir para os pais, os amigos e até mesmo para si mesma. Cada vez mais se afundando nos próprios pecados e se distanciando de sua religião. Ela se entrega à Rico, antes do casamento e por isso, acredita que não tem mais volta. Deixa de ir visitar os pais e toda a sua vida passa a girar em torno de Rico.
E tudo fica ainda mais confuso, quando Angelina começa a ter sonhos esquisitos. Sobre homens estranhos que lhe oferecem diversos objetos em bandejas, e que quando ela os aceita, se transformam em terríveis feras. Angelina à princípio não entende, mas ao longo de sua trajetória, percebe que aqueles objetos representam pecados, e que ela aceitou à todos.

"- E então? – indagou ele.
   - E então o quê? – repeti, indecisa.
   - O jantar. Hoje? Amanhã?
   - É melhor um almoço – sugeri, desesperada. – Eu durmo cedo.
   - Mas você janta todos os dias, não é? – ironizou.” Página 49

‘A Bandeja’ é o livro de estreia da Lycia, relançado pela Arqueiro e primeiro de uma série. Pelo que eu entendi, a Lycia acrescentou capítulos extras nesta versão, mas como eu não li a primeira, não sei dizer exatamente o quê. Confesso que estou encantada, pois como contei no início da resenha, a Lycia escreve muito bem e com uma leveza surpreendente. Todos os personagens são bem construídos e o legal é que nós conseguimos acompanhar a trajetória de Angelina e as transformações em sua vida e em sua própria personalidade, já que o livro é narrado caprichosamente em primeira pessoa.
Não contei muito na resenha para deixar vocês curiosos, mas devo dizer que um dos meus personagens favoritos da história, com toda certeza foi o Dante. O melhor amigo de Angelina que aparece no meio do livro, para salvar sua vida. Não literalmente, mas ele acaba tendo um papel muito importante na história.
Não encontrei erros de revisão no livro e pelo contrário, só tenho elogios à proclamar. A Lycia com toda certeza ganhou um grande espaço na minha estante de admiráveis autores nacionais e a Arqueiro como sempre, me ganhou pelo seu capricho. Amei a forma como o livro chegou na minha casa, todo embrulhado para presente e cheio de mimos. Destaque para o fofo autógrafo da Lycia, me apaixonei de verdade!

Tá esperando o que para embarcar nesse delicioso romance?

0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.