As Crônicas de Nárnia sob um ponto de vista que você nunca viu antes...



Dia 18 de abril enfim está chegando e trazendo consigo muito mais do que apenas um feriado. Está trazendo a Paixão de Cristo, a Sexta-Feira santa e despertando motivos religiosos que vão muito além da nossa compreensão. Mas por quê o título do post? Porque irei falar sobre Nárnia, mas também, estou colocando Cristo no meio? Parece um absurdo mas na verdade, não é não. Nárnia praticamente profetiza sobre a história de Jesus na Terra e estas foram as palavras do pastor da minha igreja, a PIB de São José dos Campos. Este post não só vai te fazer sentir vontade de assistir à esse filme de novo, para prestar atenção nas coisas que irei citar por aqui, como também vai te fazer duvidar um pouco da minha sanidade. De qualquer modo, seria legal que você o lesse até o fim.

Sob o ponto de vista técnico, o filme é sobre a história de quatro irmãos, que são mandados para morar com um professor, longe da mãe e da guerra que acontece no país em que viviam. Pedro, Suzana, Edmundo e Lucia - dos mais velhos para os mais novos - são os protagonistas do primeiro filme. Lucia, a mais nova e mais destemida, acaba descobrindo um guarda-roupas em uma sala ao brincar de esconde-esconde com os irmãos, e é entrando nele com o objetivo simples de se esconder, que acaba descobrindo um lugar mágico que mudaria a sua vida para sempre; Nárnia. Lá ela conhece um fauno e o conquista de tal modo, que ele põe a própria vida em perigo para ajudá-la, já que ele foi alertado pela Feiticeira Branca que se visse qualquer humano vagando por Nárnia, deveria levá-lo imediatamente à ela. O reino de Nárnia está sendo governado por uma feiticeira má, que se diz sua Rainha. Edmundo, o irmão mais rebelde dos quatro, e que não suporta a ideia de Pedro - o mais velho - querer mandar nele o tempo todo, é o segundo a visitar Nárnia. Acaba esbarrando na feiticeira e em troca de doces, promete à feiticeira, que irá levar seus irmãos até lá. Tudo que ele não sabe, é que na verdade a Rainha quer matá-los para assim evitar que a profecia se cumpra e que os quatro irmãos assumam o reino de Nárnia como os verdadeiros Reis e Rainhas, após derrotá-la em guerra, é claro.
 Agora irei mostrar um pequeno trecho do filme, que deixa bem claro, o quanto esse filme fala de Cristo e do seu amor por nós. Dúvida?

               

Para quem não conseguiu captar, a cena retrata exatamente a morte de Cristo, representado por Aslam. Edmundo, o traidor, somos nós. E a Feiticeira, pode ser vista como o próprio mal. Essa cena, mostra exatamente o amor que Cristo tinha por nós, que sacrificou a própria vida por seus filhos pecadores. As meninas - Suzana e Lúcia - representam as mulheres, que foram as últimas a virem Jesus na Cruz e as primeiras a visitá-lo na tumba e a constatar a sua ressurreição. 


Mas alguma dúvida sobre o fato de Nárnia retratar a história das Bíblia? Então trate de assisti-lo! 
Nunca tinha assistido Nárnia antes, mas realmente fiquei curiosa depois de ouvir dizer que o filme falava sobre Cristo em suas entrelinhas. O resultado, bem, assisti os três filmes em um só dia e me apaixonei por todos eles, embora o primeiro seja o meu favorito. Fiquei muito triste por não terem adaptado os demais livros da obra para os cinemas, porque acho que de longe, são os melhores filmes já produzidos. Gente, os livros foram escritos entre 1949 e 1954! Estamos falando de cultura, poxa.
A sequência de filmes adaptada dos livros de C.S Lewis é maravilhosa e tem como base a luta entre o bem e o mal. Vale muito a pena assistir, e é claro, não deixe de prestar atenção nesses detalhes, vocês verão que não sou que estou ficando maluca. É verdade mesmo! A minha próxima parada são os livros da série, e em breve prometo trazer mais 'embasamento teórico' para vocês à respeito desse post. 

Mas e ai, gostaram?

0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.