[RESENHA] Lua vermelha - Benjamin Percy



LUA VERMELHA – BENJAMIN PERCY

  
Eles vivem entre nós. São os seus vizinhos, a sua mãe, o seu namorado. Eles mudam do dia para a noite. Como toda adolescente, Claire Forrester se acha meio deslocada. Quando agentes do governo invadem sua casa e matam seus pais, ela percebe o quanto é diferente. Claire pode se transformar em uma criatura semelhante a um lobo. Ela é uma licana. Patrick Gamble entra em um avião e, horas depois, desembarca como o único sobrevivente de um ataque terrorista promovido pelos licanos. Da noite para o dia, ele vira um herói nacional: o Menino-Milagre. O governador Chase Williams jura que, se for eleito presidente, protegerá o país da ameaça que aterroriza a população. Em meio ao acirramento dos conflitos entre humanos e licanos, seu discurso intensifica a discriminação. No entanto, ele vai se tornar exatamente aquilo que prometeu destruir. Cada um a seu modo, os três estão envolvidos em uma guerra que tem sido controlada com leis, violência e drogas. Mas uma rebelião está prestes a estourar, provocando mortes e destruição e entrelaçando seus destinos para sempre. Com a chegada da noite da lua vermelha, o mundo se tornará irreconhecível. A batalha pela sobrevivência da humanidade irá começar. 



Benjamin Percy criou uma nova definição para os lobisomens, deu à eles aspectos mais realistas e os colocou como protagonistas numa história extremamente instigante. Perdi a conta de quantas vezes me peguei sem folego, sempre à espera do grande ato que viria a seguir. Lua Vermelha é simplesmente maravilhoso, surpreendente.
A história se passa em meio à um grande impasse. O patogênico ‘príons’ responsável pela infecção de grande parte da população pelo vírus Lobos, que os transformou em licanos – ou lobisomens, tem gerado certo tumulto. Por muitos anos, os licanos foram vistos como uma raça inferior aos humanos, por mais que vivessem em sociedade. Não tinham os mesmos direitos, sofriam preconceitos e eram obrigados a serem medicados pelo Volpeex; desenvolvido para controlar o emocional dos licanos, evitando sua transformação e consequentemente entorpecendo-os, feito uma droga.

“A máquina da morte. Patrick não sabe ao certo o que o sargento quis dizer com isso. Se estava se referindo aos Fuzileiros Navais ou ás Forças Armadas. À base ou à República. Ou quem sabe a vida. Talvez a máquina da morte fosse a vida, um grande pesadelo de engrenagens potentes e dentes cortantes como os de uma serra elétrica que nunca para de destroçar corpos.” Página 229

Os licanos estão fartos de serem tratados com tamanha inferioridade e é ai que a grande revolução começa a acontecer; um grupo de licanos rebeldes passa a organizar atentados e usar meios violentos para impor à população suas condições.
Em um desses atentados, conhecemos o nosso primeiro protagonista; Patrick. Único sobrevivente de um ataque aéreo em que um licano matou todos que estavam a bordo. Então conhecido como menino-milagre, Patrick acaba salvando a vida de Claire; uma licana adolescente que acabou de perder os pais e se vê sozinha no mundo.
Em Lua Vermelha nós temos três pontos de vista; o de Patrick – o humano, de Claire – a licana e do governador Chase Willians – o grande pivô da revolução.
Confesso que no início, imaginei que este fosse ser só mais um clichê de lobisomens... Porém me enganei e fiquei feliz por isso, já que a história foi me surpreendendo mais e mais a cada virar de páginas. Benjamin Percy tem uma narrativa muito boa, consegue descrever tudo com clareza, o que deixa obvio que fez muitas pesquisas para poder desenvolver as cenas. Consegue encerrar os capítulos no momento mais crucial, o que me impediu muitas vezes de ir dormir, pois eu queria saber o que aconteceria depois.

"Ela abandona aquele local, o seu lar, e salta para o meio das árvores. É como se ela estivesse entrando em uma nuvem de bordas vaporosas que se adensa até se transformar em um emaranhado de algodão no qual às vezes surgem janelas que reluzem feito raios globulares e florestas de pinheiros altos escuros como nuvens de tempestade. É para esse abrigo que ela corre." Página 29

As cenas de combate entre os humanos e os licanos, bem como o ambiente em que se passa a história foram um dos pontos mais fortes em minha opinião. O autor fez com que tudo parecesse tão real, a ponto de estarmos lendo um livro de história e não de ficção. Amei, amei, amei! Sem palavras para descrever esta obra.
A nossa querida parceira Arqueiro, fez um ótimo trabalho em relação à arte, diagramação e revisão do livro. Estou maravilhada! Recomendo este livro para todos, não importando se sua preferência é pelos romances, dramas... Para tudo e começa a ler Lua Vermelha, você não vai se arrepender! E se você já leu e pensa diferente de mim, nos conte a sua opinião nos comentários! Irei adorar saber quais foram as suas impressões.
Fico por aqui, espero que tenham curtido a resenha. Beijinhos,






0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.