[RESENHA] Azar o seu - Carol Sabar



AZAR O SEU – CAROL SABAR


Bia está parada num engarrafamento no Rio de Janeiro, pensando em sua vida azarada. Sem emprego, atolada em dívidas, ela não imagina que está prestes a viver a grande coincidência da sua vida. O motorista do carro ao lado está buzinando, tentando se comunicar com ela, como se fosse um velho conhecido... E ele é! Mas Bia não o reconhece. E como poderia? Ele é um homem, não mais o garoto de dez anos atrás. Está mais encorpado, cortou o cabelo, livrou-se do aparelho nos dentes e das espinhas do rosto, está tão diferente, tão lindo... O motorista sai do carro, mas não tem tempo de se explicar, pois começa um violento tiroteio e eles têm que se jogar lado a lado no asfalto. Certa de que está prestes a morrer, Bia entra em desespero e se prepara para dizer suas últimas palavras, na esperança de que o suposto desconhecido deitado ao seu lado possa levar um recado a Guga, seu amor da adolescência, sem perceber que é ele próprio que está ali, ouvindo a inesperada declaração de amor! Os dois escapam juntos do tiroteio e, a partir daí, começam a se envolver, dia após dia... Guga, sem coragem de assumir sua verdadeira identidade. Bia, fascinada por ele e feliz consigo mesma por finalmente estar se apaixonando por alguém que não é Guga... Azar o seu! vai além de uma comédia romântica. É uma reflexão sobre a importância da amizade verdadeira, do perdão e do autoconhecimento, que nos resgata o poder de decidir sem medo e de reverter escolhas que nos impedem de ser feliz.



Em 2011, tive o prazer de conhecer a escrita caprichada, divertida e criativa da autora mineira Carol Sabar. Particularmente falando, me tornei sua fã de primeira e já li o seu primeiro livro ‘Como quase namorei Robert Pattinson’ pelo menos umas duas vezes. É isso ai. Porque é bão demais da conta.
Fiquei extremamente feliz ao saber que este ano ela havia publicado uma nova obra, pois era algo que eu estava aguardando muito. Confesso que enrolei um pouco para comprar o livro, pois a fila de desejos literários estava imensa... Não faz muito tempo, comprei a obra em uma livraria e me arrependi por não tê-lo feito antes.

“Na sexta feira, eu me sentia feliz demais para me irritar com as baboseiras da vida cotidiana. Sabe, essas baboseiras bobas que até uns dias atrás me fariam berrar um palavrão enorme ou soltar os cachorros em cima de uma vítima inocente. Deus, perdoe-me por aqueles que maltratei.” Página 138

Os protagonistas da vez são Ana Beatriz Guimarães e Gustavo Vitorazzi. Bia conhece Guga e sua irmã Raíssa desde que era só uma criança, e a amizade entre o trio perdurou por anos a fio. Raíssa era sua melhor amiga e consequentemente, Bia sempre fora próxima de Guga. E é claro, secretamente apaixonada por ele. Mesmo que fora o responsável por salvar o seu primeiro beijo de ser um fiasco total, pois Bia achava que teria de se contentar com a sensação horrível e com gosto de banana nanica que o primeiro beijo dado por Bruninho – um garoto de sua turma, lhe causara quando Guga resolveu mostrar à ela, o que era um beijo decente. Beijo este que ela não esqueceu nunca. Mesmo depois de Guga viajar para Londres, para fazer faculdade de música, mesmo depois de ter brigado e parado de falar com Raíssa. Mesmo depois de tudo e mesmo agora, com 25 anos e vivenciando a pior maré de azar da sua vida.
Bia acaba de ser demitida por justa causa, ou nem tão justa assim, acusada de assediar sexualmente o seu estagiário na FB Logística e teve de admitir a derrota e voltar para casa com as mãos abanando. Para piorar se sente extremamente frustrada em sua vida amorosa, a ponto de se contentar com uns amassos porcamente dados em seu primo, num cemitério, em meio ao enterro da madrasta do mesmo.
E como se não fosse o bastante, Bia se vê em meio à linha de fogo num tiroteiro, presa em sua Kombi ‘Floricultura quatro estações’ e com um pé na cova. Isto mesmo, porque ela acredita que irá morrer ali mesmo. É ai que ela conhece o seu ‘amparador espiritual’ ou quem ela acredita ser e passa a contar tudinho de sua vida, tudinho, até mesmo sobre Guga Vitorazzi, a sua atual situação de desemprego e o resto das nada fabulosas coisas que vem acontecendo em sua vida. Só que este cara, está bem longe de ser um amparador espiritual, afinal, ele é o dito cujo. O protagonista dos sonhos românticos de Bia desde sempre. O pivô de tudo aquilo, e parece que mesmo depois de 10 anos sem vê-lo, Bia não consegue resistir ao seu charme.

“_ Mas por quê?
_ Meu nome é brochante. – Então não aguentei e comecei a rir.
_ É uma revelação para o terceiro encontro – disse ele – Ou quarto. Quando você estiver tão de quatro por mim que nada poderá atrapalhar o meu caminho.
_ De quatro por você? – Balancei a cabeça, perturbada com essa conversa de loucos. – Ai, ai. Você é tão seguro de si, como se fosse totalmente irresistível...” Página 62

Azar o seu é uma história realmente divertida e que me prendeu do começo ao fim. Me identifiquei muito com a Bia, mesmo que em alguns momentos ache que ela tenha sido exagerada. E devo realçar, extremamente pessimista. Mas é exatamente assim que eu sou, tenho a mania de achar que tudo vai dar errado antes mesmo de tentar... Deve ser por isso que me senti na pele da nossa ‘bronquinha’ – apelido carinhoso dado por Guga, mais vezes do que posso contar.
Um outro fator que me surpreendeu, foi a relação que Bia tem com seu pai, pois uma vez que ela foi criada por ele – sua mãe fugiu com o amante e sua banda rumo ao infinito e além quando ela ainda era criança, vê nele o seu herói, como tem de ser. A relação deles vai muito além da relação pai e filha, é uma relação de amizade, de ‘conte comigo para tudo’.
Amei todos os personagens e a maneira como a história terminou para cada um deles. A relação de Raíssa e Bia, é algo que foi mostrado por meio de flash backs durante a história, mas amei ver como elas duas acabam se encontrando em meio às circunstancias.
Guga não conseguiu bater Miguel Defilippo – protagonista do primeiro livro da autora – no quesito irresistível, mas chegou perto.

“Bia – continuou ele – você não faz ideia do que eu passei... Eu tinha 17 anos, estava longe dos meus amigos, da minha irmã, da minha cidade, e não tinha o apoio dos meus pais. Mas até ai eu podia suportar. Só que eu estava longe de você. Então não me diz que eu não me importei. Porque eu me importei tanto que, se você me escrevesse de volta e eu percebesse qualquer mínima menção de sofrimento nas entrelinhas das suas cartas, eu desistiria e entraria no primeiro avião. E eu não queria desistir.” Página 165

A arte do livro foi caprichada, não tanto quanto no primeiro livro da autora, mas gostei de ver o trabalho da editora Jangada. Não encontrei nenhum errinho de português e curti a diagramação. Livro nota 10. Ótimo para quem ama uma boa leitura e quer dar boas risadas, e é claro, longos suspiros.
Beijinhos,




4 comentários:

  1. Oi, Kate!
    Aaaah, tô precisando de um livro leve e engraçado assim, viu *-* Incrivelmente, ainda não li nada da Carol, mas morro de vontade!

    Adorei a resenha,
    Beijos
    Leeh - Caverna Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah este é ótimo viu Leeh? Vale muito a pena ser lido! Você PRECISA ler alguma coisa da Carol, porque é uma leitura super leve e que te deixa com aquela sensação gostosa sabe?
      Obrigada, viu?
      Beijinhos!
      Kate

      Excluir
  2. Morro de vontade de ler este livro! (E o outro da autora também...hahaha)
    Sua resenha só me deixou com mais vontade de conhecer a obra, principalmente pq assim como você, ando meio pessimista, sabe? Encontrar uma personagem assim ia me agradar bastante. :D
    Ainda mais se o livro não possui erros de português, estou farta de livros cheios de erros... D:

    Bjs, Yara.
    Blog Ilusões Escritas.
    http://www.ilusoesescritas.com/2014/01/vagas-para-colunistas.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que saudades de você Yara! É muito bom te ver por aqui rsrsrs
      Então, eu particularmente me identifiquei SUPER com a personagem, porque esse jeito pessimista dela chega até a ser engraçado. Você vai amar, a Carol caprichou na escrita. É horrível mesmo um livro mal escrito, mas pelo menos com a Editora Pensamento eu nunca me decepcionei. Vou dar uma passada no Ilusões para conferir as novidades!
      Beijinhos!
      Kate

      Excluir

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.