13 Lições de Vida dos Hobbits - Via Novo Conceito

Bom dia Drunk Lovers! Vamos começar o feriado, curtindo uma matéria super divertida, escrita pelo Noble Smith (Autor de A Sabedoria do Condado), autor do mais novo lançamento da querida parceira Novo Conceito. Se você também é fã de Tolkien, pegue sua cadeira e se apronte, e se você ainda não é... Está esperando o quê? Divirtam-se!


Ao longo da minha vida, ainda não superei a sensação surpreendente de felicidade ao descobrir mais alguém que ama Tolkien. Eu já vi seus livros nas estantes de escritores famosos e de fazendeiros diligentes, pessoas de sucesso nos negócios e engenheiros de tecnologia de última geração. Todos esses homens e mulheres compartilham algo em comum: eles amam aos hobbits mais que quaisquer outras personagens dos contos de Tolkien. Isso é porque existe uma qualidade na natureza dos hobbits (e não nas personagens chamadas hobbits) que os permitem viver dentro de nós de modo profundo e duradouro. Em meu livro, A Sabedoria do Condado (The Wisdom of the Shire), eu demonstro como nossas vidas podem ser melhores se algumas das características dos hobbits se tornassem nossas também.
Aqui estão 13 lições que podemos aprender com o Condado:
1. Coma como um Brandebuque, beba como um Tûk

© New Line Productions










Os hobbits são, possivelmente, os glutões mais adoráveis da literatura. Eles comem seis refeições por dia, conforme Tolkien nos conta no Prólogo de O Senhor dos Anéis, pelo menos “quando podiam tê-las”. O que era tão atraente na comida do Condado para os hobbits? Ela era composta pelos tipos mais básicos de alimentos – batatas, bacon, pão e manteiga, cerveja escura e, claro, cogumelos. Mas às vezes, as coisas mais simples, cozidas da maneira correta, são as mais saborosas. Comida de hobbit é “sopa de cogumelos para a alma”. Quando nos alimentamos com fast-food, é o mesmo que estarmos nos alimentando com gororoba de Orc. Hobbits, como Merry e Pippin, estão constantemente deliciados e maravilhados com as coisas que comem e bebem. Uma refeição é um evento prazeroso e uma reafirmação da vida.
2. Felicidade é uma toca-hobbit aconchegante










Quão confortável é a sua toca-hobbit? Os hobbits vivem em lares aconchegantes, artesanais, construídos nas encostas de montes, com dispensas bem estocadas, cadeiras macias e lareiras. Bilbo encontra forças na lembrança de seu lar quando ele está em sua aventura angustiante com os Anões. Pense em um lugar em que esteve em sua vida que possua essa qualidade pacífica. Pode ser a sala de estar de seus amados avós, ou o estúdio de uma afetuosa professora de música, ou o apartamento de seu melhor amigo. O que há nesse lugar que lhe fez se sentir em casa? Em algum momento, seu inconsciente ‘plantou raízes’ lá – nessa toca-hobbit do seu coração – e você pode levar essa sensação onde quer que você vá. Claro, assim como Bilbo descobriu ao final de O Hobbit, um quarto aconchegante é algo agradável pelo qual voltar para casa.
3. Homens barbados com bombas devem desaparecer

© New Line Productions









Frodo, Sam, Merry e Pippin estão realmente lutando por algo de valor inestimável durante a Guerra do Anel – por amizade e pelo amor ao Condado. E é por isso que eles ficam arrasados ao retornar ao Condado e descobrir que o malvado Saruman assumiu o controle de sua terra igualitária, destruiu e poluiu Hobbiton, e impôs uma lista de leis ridículas e despóticas. Tolkien odiava a ideia de “homens barbados com bombas” governando o mundo. Os hobbits, exemplo de ímpeto e coragem para Tolkien, reagiram à situação alarmante com decisão e determinação, afugentando os invasores e prontamente começando o trabalho de limpeza de sua terra devastada. Às vezes, leis desconcertantes criadas por homens imperfeitos precisam ser revistas e substituídas por padrões de bom senso, no estilo dos hobbits.
4. Até magos precisam dormir

© New Line Productions







Hobbits dormem o máximo possível, onde e quando puderem, mesmo se eles tiverem que se recolher no topo das casas nas árvores dos Elfos ou tirar um cochilo nas terras estéreis de Sauron. Tolkien gostava de acordar tarde, assim como Bilbo (o mestre de Bolsão quase perde a chance de partir em sua aventura com os Anões porque ele acorda bem atrasado). Se o sono é negado às pessoas por um tempo longo o bastante, elas vão enlouquecer como Frodo, o insone, em Mordor. Ao invés de postar “estou com sono” em sua próxima atualização do Facebook tarde da noite, ao mesmo tempo em que está assistindo filmes ruins no NetFlix, tente ir para cama mais cedo. Até o mago Gandalf – um Istari angelical – tem que descansar de vez em quando. Bom sono o deixa saudável, feliz e menos passível de provocar a ira de um dragão, algo que Bilbo, privado de boas noites de sono, aprende do modo mais difícil.
5. Avareza é para Dragões e Sacola-Bolseiros

© Warner Bros. Entertainment
É verdade que a sedução de um tesouro foi o que fez Bilbo juntar-se a Thorin e sua companhia de Anões. O Hobbit simplesmente quer aventura! Depois que Smaug é destruído, os Anões ficam enfeitiçados pelo ouro acumulado pelo dragão. Bilbo, enojado com comportamento tão grosseiro, rouba a famosa Akenstone – uma joia preciosa e bela – e a presenteia a Thranduil, Rei Elfo da Floresta das Trevas, para evitar uma guerra com os Anões. Thorin fica furioso com Bilbo quando descobre e quer matá-lo, porém mais tarde, em seu leito de morte, ele implora ao Hobbit por perdão. Ele percebe que riquezas não possuem valor sem amigos verdadeiros ao seu lado. Bilbo passa o resto da vida distribuindo sua riqueza – compartilhando-a com sua família e seus amigos, pois ele aprendera que avareza é uma característica mais adequada a dragões e Sacola-Bolseiros apaixonados por ouro.
6. É divertido se sujar

© New Line Productions








Existe grande interesse dos pequeninos pela horticultura, e não apenas para propagar a erva-de-fumo. Um dos trabalhos mais respeitados no Condado é o de jardineiro, e isso ocorre porque os habitantes do Condado celebram a vida em um lugar em que as pessoas estão completamente ligadas à terra. Tente cavar você mesmo um pequeno jardim e saiba como é gratificante ver a terra recém-tratada, pronta para o plantio. E espere até que você tenha cultivado aquele tomate perfeito. Você vai entender porque Sam vive sonhando com seu jardim quando está nas terras desoladas de Mordor, ou porque Tolkien gostava tanto de seu pequeno jardim. Cultivar seu jantar de uma semente plantada e cultivada por sua própria mão é mais impressionante do que mágica.
7. Estes pés peludos são feitos para andar

© Warner Bros.









Os hobbits vivem em um mundo em que não há carros ou trens ou dispositivos ridículos como o Segway. Assim, o melhor modo de viajar pelo Condado é andando. Não é nada para um hobbit caminhar 20km ou mais em um dia (eles são abençoados com pés gigantes, afinal). Muitos de nós já ouvimos histórias de nossos avós sobre como eles tinham que andar quilômetros para ir e voltar da escola. Caminhar por longas distâncias costumava ser a regra em nossa sociedade. Um estudo recente sobre Zonas Azuis ao redor do mundo – pequenas áreas da civilização onde pessoas vivem mais e de modo mais saudável – demonstrou que caminhar é um dos segredos da longevidade. A menos que nós queiramos ficar como o Fredegar Bolger (o habitante mais roliço do Condado), nós precisamos começar a caminhar como um hobbit.
8. Festeje como um pequenino

© New Line Productions
Aniversários são muito importantes para os hobbits. E eles possuem um jeito único de celebrá-los. Ao invés de ganhar presentes, eles dão presentes. Mas hobbits não dão presentes grandiosos. Eles representeiam com pequenos tesouros chamados mathoms – coisas que estão esquecidas em suas tocas. Não seria uma mudança agradável, nessa era de consumismo evidente, dar a você mesmo um aniversário hobbit? Claro, nenhuma festa estaria completa sem uma comemoração no estilo dos hobbits. Convide seus amigos e sua família. Tire os sapatos. Relaxe com música. Coma e beba e dance sobre as mesas. E deixe a faxina para o dia seguinte. Você não vai se arrepender.
9. O estilo ameno de Hobbiton

© New Line Productions







Uma das coisas mais reveladoras em O Senhor dos Anéis é que o livro trata de uma aventura épica, com cercos gigantescos e seres demoníacos, feiticeiros malvados, exércitos de fantasmas e poderosas árvores falantes e, ainda, ele termina de modo simples e calmo com Sam Gamgi voltando para sua pequena casa, onde sua esposa e sua filha estão esperando por ele. Para Sam, a felicidade, sem dúvida, é segurar sua filha no colo. E, de acordo com os apêndices, nós descobrimos que Sam e sua esposa Rosie tiveram mais doze filhos. (Agora você sabe o que realmente estava acontecendo naquelas toca-hobbit!) Tolkien, a propósito, esteve casado com o amor de sua vida, Edith, por cerca de cinquenta anos. Eles tiveram quatro hobbits próprios.
10. Não irrite as Gigantescas Árvores Falantes

© New Line Productions









Tolkien escreveu que os hobbits tinham uma “amizade profunda com a terra”. É um belo modo de dizer que eles faziam parte do Condado do mesmo modo que a terra, as pedras, rios e árvores faziam. Os habitantes do Condado praticavam a suficiência – tirando das terras e da floresta apenas o que precisavam. E seu modo de vida também era sustentável – tudo que tinham vinha dos limites do Condado. Em nosso mundo, a natureza está sob ataque. Megacorporações são, na verdade, como o corrupto Saruman, que corta as arvores da Floresta de Fangorn para abastecer as máquinas deformadas, que ele construíra nos confins de Isengard. Se não mudarmos nossos hábitos, nossas árvores poderão finalmente ficar de saco cheio e vir atrás de nós com um exército de Ents enraivecidos.
11. As crianças (hobbits) estão bem

© New Line Productions
O Condado era um lugar amigável para crianças. Muitos hobbits viviam com grandes famílias e muitas crianças correndo por todo lado. Frodo e seus primos podiam passear pelos campos, explorar seu mundo com uma liberdade que poucas crianças em nosso mundo podem usufruir. No verão, os hobbits não ficavam presos em suas tocas o dia todo, jogando vídeo games ou assistindo TV. Eles estavam contentes em trabalhar nos campos com suas famílias, ou admirar as estrelas, aprender sobre as árvores e animais do Condado, ou experimentar a alegria de colher cogumelos nas florestas dos fazendeiros vizinhos (ou ainda dar uma espiadela no diário misterioso de seu tio). Bilbo criou Frodo sozinho depois que ele veio morar em Bolsão e ele pode muito bem ser o primeiro pai solteiro, dono de casa, da história da literatura. E Frodo acabou bem, certo?
12. Amigos não permitem que amigos mergulhem na Montanha da Perdição sozinhos

© New Line Productions
Há uma camaradagem especial entre os habitantes do Condado que vai além de simples amizade. Os hobbits compartilham um laço que não pode ser quebrado. Eles vão brigar por um prato de cogumelos levemente fritos na manteiga, claro, mas eles dariam suas vidas para salvar um ao outro. O amor platônico de Sam por Frodo é ainda mais poderoso do que o Anel e lhe dá força para enfrentar desafios aparentemente insuperáveis, incluindo invadir sozinho uma torre cheia de Orcs maníacos, lutar contra uma aranha monstruosa e encarar um lunático extremamente obcecado com o Anel chamado Gollum. No final, talvez, a grande ameaça ao mal de Sauron não eram os exércitos, mas sim os laços de amor que não permitiram que os hobbits deixassem seus amigos cair na escuridão e no desespero sozinhos.
13. Livre-se disso, livre-se disso agora

© New Line Productions
A maior qualidade de Frodo pode ser seu foco. Uma vez que ele decide aceitar a responsabilidade de destruir o Anel, ele não desistirá. Ele parte para Mordor sabendo que pode não voltar ao seu amado Condado. Seu foco contamina Sam, que toma para si o fardo pesado do Anel quando Frodo é capturado por Orcs. Sam e Frodo passam por atribulações agonizantes no reino negro de Sauron, enfrentando seus piores pesadelos. Eles vencem esses desafios através da pura força de vontade. Todos nós temos um Anel para carregar. O segredo está em carregá-lo por quanto tempo for necessário e, quando chegar a hora, arremessá-lo ao fogo e nos livrarmos do fardo. Veja-o derreter.
*Noble Smith é o autor de A Sabedoria do Condado (www.asabedoriadocondado.com), lançado, no Brasil, pela Editora Novo Conceito. Ele é um roteirista premiado que já trabalhou como produtor de documentários, escritor de roteiros de vídeo games e diretor de comunicação para uma organização pelos diretos humanos. Siga-o no Twitter:www.twitter.com/ShireWisdom.


Kate Willians
KATE_WILLIANS Uma blogueira aquariana de 17 anos, que ama escrever e ler de tudo, adora The Vampire Diaries e é mais desastrada que um pato. Sonha em ser jornalista e acaba de publicar o seu primeiro livro; Debaixo das Minhas Asas.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.