Doença e Cura-Fabian Balbinot

Boa Tarde pessoal do Drunk Culture! Tudo bem com vocês? Depois de muito tempo sem net. Voltei com a minha postagem. Doença e Cura, esse livro se mostrou muito bom. Bem alem do que eu esperava.




    


Sinopse: Acho que foi uns dez ou onze dias atrás. Eu lembro de ter visto o sangue espalhado pelo chão. Um filete de sangue, vivo, quente, pulsante como se estivesse atravessando um coração.
Mas estava no chão. No meio do pó e do lixo, em um dos muitos becos que há pela cidade.
Uma trilha de sangue efervescente, atraente como a perspectiva de uma possível felicidade eterna, singrando a superfície escura e imunda de paralelepípedos encaixados uns ao lado dos outros.
Sangue vivo, irresistível. Brilhando como um farol vermelho no meio da imundície do beco.
Lembro de ter corrido de encontro a ele, a... aquilo... E lembro de tê-lo provado. Lembro até mesmo de ter lambido aquela substância adocicada, deliciosa, alucinante, direto do chão, deitando-me de bruços ao solo, como um reles animal.
E, a partir daí, não lembro de mais nada...
Em um submundo de sombras e poder, onde os vampiros são reais, surge uma entidade desconhecida, que perambula em uma incansável busca pelo sangue eterno dos mortos-vivos, enlouquecendo-os com pavores semelhantes aos que eles costumam infligir aos seres humanos, e usando os próprios humanos como iscas para atraí-los...

Resenha por Lucas: Esse livro eu realmente gostei do livro. Afinal eu gosto muito de vampiros (menos os vampiros da saga Crepúsculo, mas isso é outra história. Kkkk)

Esse livro me fez ver os Vampiros de um ponto de vista diferente. Quando falavam para mim assim: “Imagine um Vampiro.” Eu imaginava criaturas horripilantemente belas com um desejo insaciável por sangue e morte estando constantemente caçando os seres humanos. Mas dessa vez há uma coisa diferente, dessa vez, aqueles que um dia foram o caçador tornaram-se a caça.

O livro é na verdade uma coletânea de contos, que se passam em um mesmo universo e giram ao redor de uma única trama: o surgimento de uma nova espécie, capaz de disseminar uma doença que faz com que todo o sangue ingerido pelos vampiros “escape” de seus corpos enquanto dormem, além de degradar pouco a pouco seus dons sobrenaturais, levando-os a uma morte dolorosa e lenta. Assim sendo, cada conto desenvolve duas linhas narrativas: A sua própria, que termina ao fim do capítulo, e a história central do livro, cujos detalhes nós vamos conhecendo pouco a pouco, de acordo com as informações que colecionamos em cada conto.

Esse livro é bem interessante é diferente de certos livros de vampiros contemporâneos que brilham no Sol. Ele mantém a essência dos vampiros. Mas eu não sei porquem ainda assim eu senti os vampiros mais... humanos.

“A luz... A MALDITA LUZ...em todos os lugares.
 Horrorizado, ele piscou e encolheu-se para se livrar efeitos degenerativos do reflexo. Seus olhos ardiam, fogo em brasa.”
                                                             Pagina 14  

Outra coisa que me chamou muito a atenção é que, diferente da maioria dos livros de contos, que segue o mesmo estilo narrativo, esse conta cada um de um jeito. De forma que encontramos vários dentro do livro. Eu gostei muito disso também. Mas sem duvida o estilo de narrativa que mais me agrada é o em terceira pessoa. Acho que isso da uma sensação de suspense. Pelo menos pra mim.

“Oque mais não podia ser feito...
O QUE MAIS ELA NÃO PODIA FAZER NESTE DIA, NESTA NOITE TEMEBROSA, MISERAVÉL?”

                                                                       Pagina 24

Sem duvida esse livro me prendeu muito, o fato de que há vampiros na história me prendeu muito, e sem duvida eu vejo os vampiros de uma forma bem diferente do que eu via antes. Creio que vampiros são mais humanos do que agente pensa.

Apesar de tudo, eu acho que a capa do livro podia ser mais rica em detalhes. Apesar dessa capa deixar o livro com um ar mais misterioso, creio que ele merece uma cama com “mais informação”.


                                           
Capa: 4
Desenvolvimento da história: 5
Enredo: 5


ESPECIAL GINCANA



Lucas Chaves
LUCAS_CHAVES Lucas Chaves nasceu no dia 1 de Março de 1996 no município de São João de Meriti no estado do Rio de Janeiro, mas viveu no interior de Goiás até seu 13 anos, quando se mudou com sua mãe para São José dos Campos no estado de São Paulo, atualmente mora com sua mãe, mas mantém contato com seu pai e irmã mais velha que moram em Brasília.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.